Viviane Néri, ajudando a resgatar sorrisos e a dignidade humana


Nasci com lábio leporino e sei o quanto isso muda a vida de uma criança. Fiquei até os sete anos de idade com os lábios abertos, sofrendo bulling na escola, olhares assustados e cheios de curiosidade pelas ruas por onde andava e fazendo de mim uma criança tímida e insegura.

Acompanho pelo facebook, há algum tempo, o trabalho de Viviane Néri com crianças detentoras de fissuras lábio palatais. Tenho certeza que, apesar de ser um trabalho extremamente importante para Teixeira e região, é pouco divulgado. Como diz respeito de forma íntima ao que fui e ao que me tornei, fiz questão de entrevista-la e tentar contar um pouco sobre o projeto.

O maior centro de tratamento de fissuras lábio palatais da América Latina fica em Bauru, interior de São Paulo, e é carinhosamente conhecido como Centrinho, apesar de ser uma megaestrutura. É um anexo da USP, que conheço muito bem, pois foi lá que fiz, durante anos, a parte final do meu tratamento. E, é nessa fonte que Viviane foi beber. Numa associação com o cirurgião plástico Eduardo Astória, contatam, analisam e tratam de crianças que nascem com essa deficiência. Tudo começou por intermédio da Irmã Ângela, uma freira missionária, que ao perceber o interesse dos dois profissionais, os uniu no mesmo propósito. Depois vieram a Adelita e um novo integrante, que abraçou a causa de alma e coração, que é o Buco Maxilofacial Dr Djalma Lima. O grupo tem como sonho maior construir sede própria numa área já adquirida.

Viviane Néri Corrêa Guimarães se formou dentista em 1998, se especializou em Radiologia dentro do Centrinho, em Bauru e fez Odontopediatria e curso extensivo em paciente com necessidades especiais na PUC de Minas Gerais e ABENO em São Paulo. Tem MBA Gestão em Saúde pela FGV e faz mestrado em Radiologia e Patologia Bucal em Campinas SP. Como podem ver, qualificação profissional não lhe falta e amor, carinho e dedicação ao próximo derramam do seu coração.

Hoje a equipe da qual Viviane participa tem apoio de toda comunidade médica, odontológica, enfim, de toda área de saúde local. Segundo Viviane, todos abraçaram a causa: laboratórios, clinicas radiológicas, cardiologista, ortodontistas, fonoaudiólogos, técnicos de enfermagem e enfermeiros que recebem as crianças com muito carinho, o Hospital Municipal de Teixeira de Freitas que cede o centro cirúrgico, o Centro Espírita Nosso Lar que acolhe as crianças e seus pais antes e pós cirurgias, com alimentação e medicação. ”Enfim, somos abençoados, como diz o nosso parceiro Dr Fred anestesista, Deus envia os anjos e cerca de amor para que tudo dê certo”, afirma Viviane.

Essas cirurgias acontecem em Teixeira de Freitas há 16 anos. Antes de cada cirurgia o paciente passa por uma triagem sob a responsabilidade de Adelita, que é a enfermeira chefe, e está com o grupo desde do início. Depois passa por Viviane, que orienta a família até a vinda do Dr Eduardo que é o cirurgião plástico e faz a primeira consulta. As cirurgias são feitas por etapas, de acordo a idade e tipo de fissura.

Já foram operadas por volta de 500 crianças. O número não é maior porque as operações são feitas a cada três meses. Se tivessem mais recursos, conseguiriam trazer outros colegas cirurgiões craniofaciais e plásticos e mais crianças seriam operadas. Há uma lista de espera pois a equipe atende crianças de toda a região. Já teve até um caso de uma mãe que mora em São Paulo, soube do projeto e trouxe seu filho para ser operado aqui.

Todos os profissionais envolvidos doam seus serviços em prol do resgate da dignidade de crianças que, de outra forma, passariam pelo mesmo desconforto que passei durante anos da minha vida. Ao serem operadas ainda crianças, deixarão de sofrer preconceito e ganharão mais dignidade na sua caminhada pela vida.

Por ter vivido o problema e suas consequências, posso afirmar que o trabalho de Viviane e de sua equipe é digno de apoio e admiração. São verdadeiros anjos mudando a vida dessas crianças de forma espetacular. Benditas sejam essas mãos que devolvem sorrisos e dignidade.